MGS Phantom Pain Review - Parte I

Excelência em espionagem tática

por Vince Ingenito

Eu tinha planejado tudo com cuidado. Havia muitos soldados atrás de mim, e com o sol nascendo logo mais, eu não tinha como chegar ao ponto de resgate mais próximo carregando um prisioneiro feridos nas minhas costas. Mas eu não tinha escolha. Durante a noite, coloquei alguns explosivos C4 na cabana com os equipamentos de rádio e comunicação, na bateria anti-aérea e, mais importante, no radar anti-aéreo. Então, eu respirei profundamente e detonei os três ao mesmo tempo, chamei o helicóptero e vi tudo o que se desenrolou na sequência. Depois de um tempo, minha carona chegou destruindo um APC com muitos mísseis e arrasando a infantaria com suas metralhadoras enquanto eu saia do esconderijo carregando o prisioneiro. Eu embarquei com minha carga preciosa e fui direto operar a metralhadora para dar conta dos reforços inimigos que tinham chegado enquanto eu saia da zona de confronto.


É isso que Metal Gear Solid V: The Phantom Pain é na maior parte do tempo, e o que é realmente incrível é que nenhum momento desta fuga foi escrito, programado ou dirigido. Minha missão foi apenas escapar com o prisioneiro vivo. O restante dela, da hora do dia em que escolhi para iniciá-la e escapar da base com um ataque aéreo -- e destruindo a proteção inimiga é um testemunho de como as peças do gameplay de Phantom Pain se encaixam perfeitamente juntas. É, sem sombra de dúvidas, meu Metal Gear favorito para se jogar, embora eu desejasse que a história trouxesse a mesma quantidade de momentos espetaculares, como as missões abertas e livres que pude criar para mim mesmo.


"Phantom Pain parece intimidador, impressionante na liberdade proporcionada por seu mundo aberto e pela quantidade de conceitos que você precisa captar"


Desde o momento em que você monta no cavalo e explora o Afeganistão, Phantom Pain parece intimidador, impressionante na liberdade proporcionada por seu mundo aberto e pela quantidade de conceitos que você precisa captar. É quase um exagero, dada a relativa linearidade dos Metal Gear anteriores. Mas o que inicialmente parece ser uma grande e densa quantidade de quesitos se mostra uma série de sistemas de gameplay integrados que me forneceram uma gama imensa de decisões interessantes para tomar.

Vamos dar outra olhada no meu resgate ao prisioneiro. O ciclo de dia e noite e o clima dinâmico de Phantom Pain tiveram um papel fundamental na minha decisão de acionar os C4. Enquanto eu sabia que não teria como me esconder facilmente como durante a noite, tinha a certeza de que não teria neblina, uma tempestade de areia ou até mesmo um pouco de chuva para deixar meus passos mais difíceis de serem escutados, porque meu time de inteligência já tinha me passado a previsão do tempo. Eu também sabia que precisava de um ponto de extração próximo, então destruí aquele radar anti-aéreo antes. Então, havia os equipamentos de comunicação, que eu também deixei aos pedaços. Já que eu não destruí todos os transmissores, reforços chegaram para complicar as coisas no final. O número de diferentes fatores para considerar transforma cada situação complicada em um quebra-cabeça divertido de se resolver.



#Playstation #XboxOne #PC