Vega: Nova arquitetura gráfica da AMD para cargas de trabalho virtualmente ilimitadas

Nova arquitetura de GPU de alta performance remove muitos limites tradicionais para jogos, VR, design professional e Machine Intelligence

A AMD mostra hoje detalhes preliminares da sua próxima arquitetura para GPU, Vega. Concebida e executada ao longo de 5 anos, a arquitetura Vega garante novas possibilidades em PC gaming, design professional e machine intelligence que arquiteturas de GPU tradicionais não foram capazes de endereçar efetivamente. Cargas de trabalho intensivas estão se tornando o novo normal, e a natureza paralela da GPU a torna ideal para supri-las. No entanto, processar esses novos grupos de dados gigantes requer acesso rápido a quantidades massivas de memória. O subsistema revolucionário de memória da arquitetura Veja permite que a GPU enderece enormes conjuntos de dados espalhados em um mix de tipos de memória. O controlador de cache com alta largura de banda nas GPUs Vega podem acessar o cache de memórias on-package e off-package de uma maneira flexível e programável usando movimentos de dados finos.

“É incrível ver GPUs sendo usadas para resolver problemas de dados em escala gigabyte em jogos até problemas de escala exabyte em machine intelligence. Desenhamos a arquitetura Vega para construir sobre essa habilidade, com flexibilidade para endereçar uma gama extraordinária de problemas que GPUs irão resolver não apenas hoje, mas também daqui 5 anos. Nosso cache com alta largura de banda é o pivô da disrupção que tem potencial de impactar todo o Mercado de GPU”, disse Raja Koduri, vice-presidente sênior e arquiteto chefe, Radeon Technologies Group, AMD.

Destaques dos avanços da arquitetura Vega incluem:

· A arquitetura de memória para GPU mais avançada do mundo: A arquitetura Vega permite uma nova hierarquia de memória para GPUs. Essa mudança radical vem na forma de um novo controlador e cache de alta largura de banda. O cache usa a tecnologia de ponta HBM2 que é capaz de transferir terabytes de dados a cada Segundo, dobrando a largura de banda por pino em relação a geração anterior da tecnologia HBM. A HBM2 também permite maior capacidade com menos da metade do footprint da memória GDDR5. A arquitetura Vega é otimizada para streaming de grandes grupos de dados e pode trabalhar com uma variedade de tipos de memória com até 512TB de virtual adress space (VAS).

· Pipeline de geometria de próxima geração: Os jogos e aplicações profissionais de hoje usam uma geometria incrivelmente complexa, permitida pelo aumento extraordinário de resoluções em dispositivos de aquisição de dados. Centenas de milhões de polígonos em qualquer quadro se unem tão densamente que muitas vezes há vários polígonos sendo renderizados por pixel. A próxima geração de pipeline de geometria da Vega permite ao programador extrair uma eficiência incrível ao processar essa geometria complexa, enquanto também entrega mais de 200% da taxa de transferência por clock em comparação a arquiteturas Radeon anteriores.[i] Também possui balanceamento de carga melhorado com distribuidor de cargas de trabalho inteligente para entregar performance consistente.

· Engine de computação de próxima geração: No centro da arquitetura Vega está um novo motor computacional de próxima geração, construído com unidades computacionais flexíveis que podem processar nativamente operações 8-bit, 16-bit, 32-bit ou 64-bit em cada ciclo do clock.[ii] Essas unidades de computação são otimizadas para atingir frequências significativamente mais altas que gerações anteriores e seu suporte de diferentes tipos de dados tornam a arquitetura muito versátil em cargas de trabalho.

· Motor avançado de pixel: O novo motor de pixel Vega usa o Draw Stream Binning Rasterizer, desenhado para melhorar performance e eficiência energética. Ele permite um “fetch once, shade once” de pixels por meio do uso de uma cesta de cache no chip e seleção rápida de pixels invisíveis em uma cena final. O motor de pixel da Vega é agora um cliente embarcado do cache L2, permitindo uma redução da sobrecarga para cargas de trabalho gráficas que executam frequentemente operações read-after-write.

Produtos GPU baseados na arquitetura Vega são esperados para o primeiro semestre de 2017.