• PC Facts

AMD Ryzen R7 1800X Review


Foram uns bons anos de espera até a AMD realmente trazer CPUS concorrentes aos i7 e i7 Extreme, e isso era algo que o público esperava há algum tempo. Mas será que é isso que realmente está acontecendo? Será que realmente o R7 1800X é processador para competir com os melhores processadores da Intel? Ou pelo menos ele tem uma boa performance por watt ou uma boa performance pelo preço? Pois é isso que vamos conferir.

Antes de prosseguir

Antes de apresentar os resultados que aferimos, tivemos inúmeras dificuldades, as quais precisam ser relatadas. A primeira dificuldade encontrada se deu por conta da placa-mãe: a placa enviada para análise com foi a MSI X370 XPower Gaming Titanium, que apresentou problemas de uso. Não houve tempo suficiente para identificar a natureza do defeito, se era físico, se era um problema de BIOS do nosso exemplar ou se essa BIOS em todas as placas X370 deste modelo apresentam problemas de BIOS.


Claro que uma simples atualização de BIOS pode corrigir o problema, mas não tivemos no decorrer dos nossos testes, uma atualização de BIOS que corrigisse a falha. Afinal, qual foi o problema que o PC Facts teve? Ao ligar o computador, a placa-mãe fornecia uma leitura de temperatura de 80ºC no processador. Mas o processador estava quente? Não. Era possível tocar nos dissipadores do cooler, próximo ao processador e não se sentia o calor reportado pela placa. De fato, a sensação era de que o processador estava gelado. Note que as leituras dos sensores da placa-mãe indicavam o processador a 80ºC e os sensores dos dissipadores, dos VRMs da placa reportavam leituras de cerca de 30ºC. Normalmente quando o processador está superaquecido, a placa aquece junto, o que não conseguimos observar em nossos testes.


A questão é que o fato de os sensores detectarem uma temperatura altíssima tira quaisquer chances de fazer overclock ou de habilitar o XFR. Ou seja, o nosso 1800X permaneceu em 3.7GHz e não conseguimos alterar. Por mais que aumentasse a tensão, o clock via uma espécie de BCLK ou automático, os ajustes não eram aplicados. A BIOS também não conseguia lidar direito o perfil XMP, atribuindo valores erráticos. Estes fatos nos dão a dimensão de que a BIOS não se apresentava confiável.

Isso posto, pensamos “se entregamos o review como está para mostrar o que realmente aconteceu ou devemos esperar um pouco”. Esperar seria complicado, pois seria um desrespeito aos nossos inscritos e leitores, os quais tanto aguardaram para conhecer a arquitetura, além de que iria ocultar as dificuldades que enfrentamos.


Como não queremos que os nossos inscritos fiquem sem saber disso, vamos apresentar o que foi possível obter com o Ryzen R7 1800X em 3.7 GHz. Você verá que testamos todos os processadores que temos aqui: os Intel i7 6700K, i7 5930K, i7 5960X em stock e em overclock. No entanto, não foi possível fazer o mesmo com o Ryzen devido os problemas previamente relatados. Note, contudo, que o 1800X tem o clock padrão em 3.6 GHz, com boost a 4 GHz e XFR em 4.1 GHz, logo o processador não alcançava o potencial que deveria.


Tendo consciência de que o processador não está em seu potencial máximo, devemos tornar a testar após uma atualização de BIOS para correção esse problema. Sem mais delongas, vamos aos resultados da bateria de benchmark sintéticos que fizemos deste novo processador.

Configurações de testes:

Processador: AMD Ryzen R7 1800X @3.7 GHz

Placa-mãe: MSI X370 XPower Gaming Titanium

Memórias: 2X 8 GB DDR4 Corsair Vengeance LPX 3000 MHz

Vídeo: Nvidia GTX 1080

SSD: Corsair 240 Force LE 240 GB

Refrigeração: Noctua U12S SE-AM4

Fonte: NZXT Hale M 750W

Benchmark sintéticos

Fica notório que o i7 5960X reina absoluto, contudo o R7 1800X mesmo em 3.7GHz já consegue fazer frente com ao i7 em determinadas situações. Claro que o IPC do R7 1800X não é tão forte quanto o de um Skylake ou de um Kaby Lake, mas já é um excelente IPC. Um outro detalhe: Em multithread, ele possui uma excelente performance final, ainda mais quando se compara a relação performance/watt, no gráfico abaixo.


Consumo energético

Observe que o R7 1800X é extremamente eficiente em relação a qualquer outro processador que temos conosco. Este consome em stock praticamente igual ao i7 6700K que tem metade dos núcleos. Ou seja, a AMD conseguiu dentro de uma arquitetura de processador, oito núcleos num die com uma performance incrível e com o consumo baixo. Mas como perceber essa diferença de consumo? Veja no gráfico abaixo a relação de performance entre o R7 1800X e o i7 6700K, ambos com aproximadamente o mesmo consumo.

Performance X Watt

O R7 1800X em multithread entrega uma performance muito superior a do 6700K, com consumo muito similar. Isso mostra o quão eficiente é a arquitetura Zen em relação a arquitetura Skylake, por exemplo: consegue entregar muito mais performance com praticamente o mesmo consumo.

Performance em Games

Todos os jogos foram executados em 1080p com uma GTX 1080 e configurações gráficas definidas como Ultra, em 1080p sob o DirectX 11.

Grand Theft Auto V

Em GTA, houve uma queda de performance em relação a todos os outros processadores. Isso muito em conta por causa do seu IPC. Por exemplo, o i7 6700K foi um dos que apresentou a melhor performance em termos de estabilidade. Em compensação, o 5960X teve quedas para até 26 FPS e isso denota a importância do IPC nesse game.


Watch Dogs 2

Já em Watch Dogs II, o i7 6700K, mesmo com o seu bom IPC não foi eficiente em relação ao R7 1800X, com seus 32 fps de quedas bruscas. Isso explicita que nesse game a quantidade de núcleos é um fator de grande importância. E claro, os i7 5960X e 5930K apresentaram uma performance geral melhor do que o R7 1800X.

Battlefield 1

Em Battlefield 1, aferimos uma performance parelha com o 5930K e o R7 1800X, com uma ligeira vantagem, na média para o 1800X. Já o i7 6700K conseguiu uma performance média melhor por justamente por conta de seu alto IPC.


Considerações finais


A questão que devemos salientar é que estamos com um processador topo de linha, que custa a metade do preço de um 6900K, que entrega uma performance/watt incrível. Mas ele é o melhor processador do mundo? Não. Ele é uma das melhores arquiteturas. O Skylake, por exemplo, não consegue fazer o mesmo que o R7 1800X, com o seu consumo.


A questão que fica é. Nos testamos um processador com desempenho capado. A placa-mãe, infelizmente não permitiu que extraíssemos o máximo de performance que esse processador tinha a entregar. Afinal se esse processador estivesse com 0.4GHz a mais, ele poderia entregar mais? É provável que esses 0.4 GHz sejam a justa diferença que faltava para que ele conseguisse competir com o 5930K e 5960X em games. Mas ele simplesmente não pode ser dito como plenamente funcional. Portanto, encaramos isto como um pré-review; uma demonstração daquilo que aferimos; das dificuldades que passamos, e claro, um report tanto para a AMD, quanto para os nossos inscritos, quanto para os potenciais clientes que possam ter vontade de adquirir um processador desses.


Assim sendo, recomendamos que você entre no grupo do PC Facts no Facebook para acompanhar a questão da placa-mãe X370 MSI XPower Gaming Titanium, e que conforme o problema siga em curso de uma solução, vamos atualizar os testes para você ficar por dentro.